comentário
Homenagem tecnomítica de um “discípulo inconstante”

Homenagem tecnomítica de um “discípulo inconstante”

Dedicatória que abre Antropologia Estrutural: “Permitam, com este livro a ser publicado em 1958, ano do centenário de Émile Durkheim, que um discípulo inconstante renda homenagem à memória do fundador da Année Sociologique, ateliê prestigioso no qual a etnologia contemporânea recebeu parte de suas armas, e que relegamos ao silêncio e ao abandono, menos por ingratidão do que devido à triste certeza que temos de que a empresa atualmente excederia nossas forças. […] ρύσεον μεν πρώτιστα γένος.” (Lévi-Strauss 2012:7)

A tradução do trecho em grego pode ser: “Primeira de todas entre humanos”. Trata-se de início da seguinte frase do capítulo “o mito das cinco raças”, de Os trabalhos e os dias, de Hesíodo (2012:73): “Primeira de todas entre os humanos de fala articulada, fizeram os imortais que têm moradas olímpias uma raça de ouro”. É uma referência à primeira “raça” humana criada pelos deuses, a mais perfeita, “de ouro”. Depois dessa viriam as raças de “prata”, “bronze”, “heróis” e “ferro”. Lévi-Strauss claramente apresenta Durkheim como um semi-deus da “raça de ouro”, e a si mesmo como um mero mortal, talvez “de ferro”.

HESÍODO. 2012. Os trabalhos e os dias. (Trad.: Alessandro Rolim de Moura) Curitiba: Segesta.
LÉVI-STRAUSS, Claude. 2012. Antropologia estrutural. (Trad.: Beatriz Perrone-Moisés) São Paulo: Cosac Naify.

Tags :